10 Iniciativas católicas de cuidado com a criação

Janeiro 5, 2021

A Igreja Católica global está unida em seus esforços para cuidar de nossa casa comum e evitar os piores efeitos da crise ecológica e da emergência climática. Todos os dias, clérigos, pessoas comuns e organizações em todo o mundo cuidam de todos os membros da criação.

As organizações desempenham um papel especialmente vital neste esforço global. Como parte do Movimento Católico Global pelo Clima, cerca de 750 organizações membros lideram suas comunidades para tomar medidas contra a crise climática.

Abaixo, destacamos 10 Organizações Membros que realizam um trabalho exemplar no mundo todo. Clique aqui para saber mais sobre as Organizações Membros, incluindo como a sua organização pode juntar-se a este movimento hoje.

Iglesias y Minería, a rede de igrejas e mineração, é composta por comunidades cristãs, equipes pastorais, congregações religiosas e conferências episcopais que buscam responder aos impactos e violações dos direitos socioambientais causados ​​pelas atividades de mineração no Brasil, Peru, Chile, Uruguai, Equador, Colômbia, Honduras, Argentina e Guatemala, disse Guilherme Cavalli, da Iglesias y Minería.

A rede encoraja especialmente organizações e paróquias a colocarem seus valores em ação desinvestindo da mineração.

A posição profética foi endossada no documento final do Sínodo da Amazônia, que declarou: “… assumimos e apoiamos as campanhas de desinvestimento de empresas extrativistas relacionadas com danos socioecológicos na Amazônia, começando pelas próprias instituições eclesiais e também em aliança com outras Igrejas.”

Com sede nos Estados Unidos, a Rede Inaciana de Solidariedade [Ignatian Solidarity Network] trabalha para “formar redes, educar e formar defensores da justiça social animados pela espiritualidade de Santo Inácio de Loyola e pelo testemunho dos mártires jesuítas de El Salvador e seus companheiros”.

Ao longo do ano, a rede hospeda programas de liderança e organiza esforços de advocacy, como seu trabalho contínuo em torno dos requerentes de asilo na fronteira dos Estados Unidos com o México.

Anualmente, a ISN organiza o Ensino pela Justiça da Família Inaciana [Ignatian Family Teach-In for Justice] em Washington, D.C. O evento traz mais de 2.000 pessoas à capital dos EUA para defender a justiça social católica.

A Federação de Serviço Voluntário Internacional de Organizações Cristãs (FOCSIV) começou seu trabalho de mudança mundial há quase 50 anos, em 1972. O FOCSIV é agora composto por 87 organizações que trabalham em mais de 80 países no mundo inteiro.

A federação empregou 27.000 voluntários internacionais e jovens no serviço público e continua comprometida com projetos de desenvolvimento de longo prazo na agricultura, defesa dos direitos humanos e fortalecimento institucional, entre outras áreas.

Em setembro, o FOCSIV, com a Conferência Episcopal Italiana e outras organizações, publicou o “Guia para a Ecologia Integral,” que apresenta 20 estudos de caso inspiradores que ajudarão todas as organizações a dar vida à Laudato Si’.

“A FOCSIV está comprometida com a ecologia integral com convicção”, disse Gianfranco Cattai, presidente da FOCSIV, no guia.

Maxwell Ikutwa, um jovem da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus Mukumu,
e Emmanuel Musungu Wesonga trabalham em um viveiro diocesano de árvores modelo em Mukumu, Quênia.
(foto de CJPC Kakamega)

A Comissão Católica de Justiça e Paz da Diocese de Kakamega trabalha o ano todo para levar justiça, boa governança, paz e progresso comunitário em toda a diocese.

A diocese está hospedando vários programas no momento, incluindo cerca de 15.000 mudas de pinheiro silvestre em viveiros, que também são apoiados pelo Fundo Global GreenGrant. As mudas ajudarão os esforços de reflorestamento na área.

CIEC, a Confederação Interamericana de Educação Católica [Confederación Interamericana de Educación Católica], trabalha com seus membros em todas as Américas para evangelizar por meio da educação, compartilhar os princípios de uma forte educação católica e promover a solidariedade entre seus membros.

O CIEC tem incentivado e ajudado seus membros a participarem de várias campanhas de cuidado da criação, incluindo a Semana Laudato Si’ e o Tempo da Criação ecumênico neste ano.

“Inspirados pela Laudato Si’ 13, ‘A humanidade possui ainda a capacidade de colaborar na construção da nossa casa comum’, o FABC-OHD / CCD se esforça para alcançar as várias conferências episcopais na Ásia para destacar o grito da terra e o grito dos pobres, pois isso é realidade em muitos países asiáticos”, disse Pe. Joseph Gonsalves, secretário executivo do escritório.

“O FABC-OHD / CCD prevê uma igreja verde adotando um estilo de vida verde e promovendo uma evangelização verde para pessoas de várias religiões. O escritório visa que as pessoas na Ásia adotem uma espiritualidade verde para cuidar de nossa casa comum e serem sensíveis às necessidades dos pobres.”

Durante o Tempo da Criação de 2020, Gonsalves escreveu um e-book intitulado “Reflexões sobre ‘Aqua Fons Vitae. Orientações sobre a Água: símbolo do grito dos pobres e do grito da Terra’”, referindo-se ao documento do Dicastério para o Servilo do Desenvolvimento Humano Integral do Vaticano divulgado em março de 2020. Aqua fons vitae significa em latim“ água é fonte de vida.”

O escritório convidou a todos a mergulharem nesse período de um mês lendo o texto do Vaticano, o livreto eletrônico da federação e agindo.

Se a sua paróquia está procurando se tornar mais ativa no cuidado da criação, veja o exemplo da Paróquia de São José e Santo Antônio em Brisbane, Austrália. O grupo de cuidado com a criação da paróquia trabalha para “responder com amor – tanto em espírito de oração como por ação prática positiva – sob a orientação do Espírito Santo” ao grito da Terra e ao grito dos pobres e está ativo com os eventos ao longo do ano.

O Padre Gerry Hefferan incentiva essas ações e frequentemente fala sobre a necessidade de toda a humanidade cuidar da criação de Deus.

“É essencial que protejamos a Terra da ganância humana”, ele escreveu no último dia do Tempo da Criação. “Como sabemos, às vezes a ganância humana pode ter efeitos devastadores. Como protegemos a herança, a arte, a espiritualidade e os antigos entendimentos da criação? “

A Austrália, rodeada de água, corre o risco de sofrer os piores efeitos da crise climática, como a elevação do nível do mar.

“Os católicos se preocupam sim com a mudança climática e estão trabalhando duro para criar soluções”.

Desde 2006, a Aliança Climática Católica [Catholic Climate Covenant] tem ajudado católicos/as e instituições nos EUA a lembrar que cuidar da criação e cuidar dos pobres são princípios fundamentais da fé católica.

Os Conferência Episcopal dos EUA ajudou a criar a aliança há quase 15 anos para ajudar a implementar o ensino social católico sobre ecologia na Igreja dos EUA.

Entre as realizações da aliança nos últimos anos, junto a seus 19 parceiros nacionais, ajudaram a facilitar uma carta de mais de 125 lideranças católicas ao Presidente dos EUA, Donald Trump, instando-o a apoiar o Plano de Energia Limpa.

“Como católicos, temos uma aliança com Deus de sermos guardiões da criação. Como humanidade, estamos interligados porque tanto vivemos na criação de Deus quanto somos criação de Deus. Nossa casa comum clamou por nós muitas vezes: furacões, inundações, recifes moribundos, incêndios massivos e secas que impedem nossa capacidade de cultivar alimentos, interrompendo vidas e deslocando milhões”, disse Elena Gaona, diretora de comunicações do convênio.

“Na Aliança Climática Católica, dizemos que nossa missão é inspirar e equipar pessoas e instituições para cuidar da criação e cuidar dos pobres. A segunda parte é especialmente importante para todo o nosso trabalho porque são as comunidades que vivem com pobreza as primeiras e mais afetadas pelas mudanças climáticas, mas seus hábitos de vida diária são os que menos contribuem para a poluição”.

A Universidade Francisco de Vitoria em Madrid tem compartilhado consistentemente a mensagem unificadora da Laudato Si’ de cuidar da criação nos últimos tempos. Agora, a instituição Regnum Christi trabalhará ainda mais estreitamente com o GCCM após assinar um acordo formal em outubro.

O documento mostra as maneiras pelas quais a universidade irá proteger a criação e mitigar os efeitos das mudanças climáticas.

Entre as ações mencionadas no acordo estão planos para promover a sustentabilidade em lares, comunidades e instituições, e defender o cuidado da criação dentro e fora da Igreja Católica, um esforço que incluirá pedir aos líderes que cuidem de nossa casa comum e cuidem dos mais afetados pela emergência climática.

A Coalizão pela Justiça Climática [Climate Justice Coalition] é um grupo de sindicatos sul-africanos, sociedade civil, organizações populares e comunitárias que se uniram para promover uma “agenda transformadora de justiça climática” que aborda a “desigualdade, pobreza e desemprego que permeia a África do Sul,” de acordo com 350 Africa, membro da coalizão.

O GCCM África também é membro da coalizão, e Bernadette Crewe-Brown representa o GCCM no aspecto religioso da coalizão.

“Estou motivado pela minha convicção de que um mundo justo e pacífico, onde todos vivam em harmonia com a nossa Terra e uns com os outros, é possível se todos escutarmos e ouvirmos uns aos outros, como diz o Papa Francisco na Laudato Si’”, disse Bernadette.

“O impulso mais importante agora é uma transição de energia justa, que inclui o desinvestimento em combustíveis fósseis… É imperativo que os pobres mais vulneráveis sejam protegidos por meio dessa transição”.

Clique aqui para saber mais sobre as Organizações Membros, incluindo como a sua organização pode juntar-se a este movimento hoje.