A África está pronta para liderar a revolução das energias renováveis, afirmam especialistas durante evento do Tempo da Criação

Setembro 15, 2020

Um fazendeiro tunisino trabalha com seu burro em uma fazenda de turbinas eólicas. Foto: Dana Smillie/World Bank

Todo o continente africano está pronto para liderar a revolução das energias renováveis e fornecer um futuro mais vivificante e mais limpo para seus 1,3 bilhão de habitantes, disse um painel de especialistas na quinta-feira durante uma conferência online do Tempo da Criação.

O continente, formado por 54 países, é o de crescimento mais rápido do planeta e tem a capacidade de afastar o mundo dos combustíveis fósseis sujos e das crescentes emissões de carbono que, segundo os cientistas, estão causando as mudanças climáticas.

“Não pode haver uma solução para a mudança climática sem enfrentar o desafio que os combustíveis fósseis representam, mas também abrir a oportunidade que a África tem”, disse Mohamed Adow, o diretor fundador da Power Shift Africa, um think tank com sede em Nairóbi que trabalha para mobilizar a ação climática em todo o continente.

“Vamos apoiar esse objetivo e, juntos, defender que a África realmente levante [e] ajude a transição mundial dos combustíveis fósseis e se torne um líder ecológico.”

Mohamed Adow

‘Mais secas e mais inundações’

As projeções indicam que a inação contra as mudanças climáticas terá consequências graves para o continente, que já está passando por mudanças climáticas na forma de mais secas e clima menos previsível, que acontecerão com mais frequência com o aumento das temperaturas em todo o continente.

Tudo isso está acontecendo na África, apesar de o continente ter pouco a ver com o aumento das emissões de gases de efeito estufa. Os 1,3 bilhão de pessoas da África representam cerca de 17% da população mundial, mas contribuem com menos de 4% do total das emissões globais.

Assista a conferência online completa do Tempo da Criação abaixo

“Mais secas e mais inundações, acho que muitos de nós na África já estamos sentindo isso”, disse Anabela Lemos da Justiça Ambiental, ao lembrar às centenas de participantes o que um planeta aquecido tem reservado para a África.

Anabela Lemos

Anabela é cofundadora, coordenadora da campanha e membro do conselho da organização, que é a filial moçambicana da Friends of the Earth, uma rede internacional de organizações ambientais.

A conferência online, intitulado “Reabastecendo a África através do Investimento Ético”, foi a segundo de quatro conferências organizadas pelo Movimento Católico Global pelo Clima acontecendo durante o Tempo da Criação, a celebração anual de oração e ação pela nossa casa comum.

Todas as quatro conferências enfocam a necessidade de uma transição justa para longe dos combustíveis fósseis.

O Tempo da Criação ecumênico começou em 1º de setembro, o Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, e termina em 4 de outubro, dia da festa de São Francisco de Assis, o santo padroeiro da ecologia amado por muitas denominações cristãs.

Em todo o mundo, os cristãos estão usando esta época especial do ano para renovar sua relação com nosso Criador e com toda a criação por meio da celebração, da conversão e do compromisso.

Milhares de cristãos organizaram e registraram eventos, incluindo momentos de oração online, conferências online interativas e eventos presenciais, como caminhadas na criação e limpeza de rios, para ajudar a si mesmos e a seus irmãos cristãos a encontrar maneiras radicalmente novas de viver com a criação.

Thuli Makama

‘O futuro do desenvolvimento da África não é fóssil’

Thuli Makama, Consultora Sênior da Oil Change International para a África, destacou como todos nós precisamos trabalhar em direção a um novo futuro que não dependa tanto de combustíveis fósseis.

A indústria global de combustíveis fósseis está se tornando cada vez mais instável à medida que a demanda por seus produtos diminui em todo o mundo, disse ela.

“Nosso desenvolvimento econômico não pode ser atrelado ao estado da indústria de combustíveis fósseis porque é uma indústria volátil”, disse Makama, ganhadora do Prêmio Ambiental Goldman de 2010 por seu trabalho ajudando o povo da Suazilândia.

No entanto, apesar dessa volatilidade e diminuição da demanda, as empresas de petróleo estão tentando construir novas infra-estruturas, incluindo o Oleoduto de Petróleo Brutao na África Oriental em Uganda e na região da Tanzânia-África Oriental. Se construído, esse oleoduto teria efeitos devastadores nas comunidades e no ecossistema do entorno.

 

Makama observou que a extração contínua de combustíveis fósseis não ajudará o continente a manter o aquecimento abaixo dos 1,5 graus (Celsius) acordados no marco do acordo climático de Paris de 2015.

A extração de combustível fóssil até o momento também não ajudou o continente a atender às necessidades locais de energia. Cerca de 600 milhões de pessoas no continente carecem de eletricidade.

“Extração é para exportação”, disse ela. “É um negócio. Trata-se de aumentar as margens de lucro das empresas ”.

‘Podemos criar um movimento das bases’

Um futuro melhor, no entanto, pode esperar todo o continente e todos nós, disse Eugene Nforngwa, o líder temático para Transição Justa e Acesso à Energia na Aliança Pan-Africana para a Justiça Climática, um consórcio de mais de 1.000 organizações de 48 países africanos.

Eugene Nforngwa

O continente foi dotado de recursos de energia renovável, incluindo solar, eólica e geotérmica, disse ele.

Com mais investimento e trabalho futuro no sistema de energia, a África pode ajudar a liderar o caminho, como tem sido evidente em outros países do continente.

“Quando as comunidades locais estão suficientemente mobilizadas, elas podem se levantar até mesmo contra as forças mais fortes que você pode imaginar”, disse Nforngwa.

“O povo da África precisa ser informado de que os combustíveis fósseis podem resolver suas necessidades de acesso à energia, mas podem custar-lhes mais problemas e que existe uma alternativa, que é mais limpa, é mais barata”.