A.G. Saño sobreviveu o tufão Haiyan. Agora ele trabalha pela justiça climática

Outubro 27, 2020

A.G. Saño, último à esquerda, trabalha pela justiça climática após passar pelo tufão Haiyan nas Filipinas. (Foto por Albert Lozada)

Pela enésima vez desde 2013, A.G. Saño implora às massas que não permitam que os entes queridos que ele perdeu na tempestade mais forte de todos os tempos sejam apenas reduzidos a números.

É dezembro de 2018 e Saño está embrulhado em sua jaqueta de inverno preta e amarela, tentando reunir um grupo de 4.000 ativistas climáticos fora da COP24 em Katowice, Polônia.

Saño, seu irmão Yeb e outros peregrinos caminharam para Katowice vindos da Cidade do Vaticano como parte da Peregrinação Climática, sua jornada de 1.500 quilômetros que foi inspirada pela Laudato Si’ e convocou orações do mundo todo.

A.G. Sano, um sobrevivente do tufão Haiyan (Yolanda), detalha a devastação da tempestade que provavelmente se tornou mais forte pela mudança climática na cidade natal de seu pai, Tacloban, nas Filipinas.

“Trezentos e cinquenta!” ele grita, a distância que os ventos sustentaram em quilômetros.

“Quinze!” sobre a altura das ondas que esmagaram Tacloban.

“Quinze mil!” o número estimado de pessoas mortas ou desaparecidas por causa da tempestade, embora um número exato provavelmente nunca será conhecido.

Anteriormente, ele compartilhou o número mais doloroso com ele: três, o número de seus entes queridos que morreram durante a tempestade. Saño perdeu seu amigo Agit Sustento; a esposa de Sustento, Geo; e o filho deles de três anos, Tarin.

Exceto por perder a própria vida, Saño sofreu os efeitos mais dolorosos do agravamento da crise climática. Ele teve que lutar por sua sobrevivência, recolher dezenas de cadáveres, alguns dos quais ainda estavam quentes ao toque, e suportar pesadelos traumáticos por semanas.

Mesmo assim, ele continua um fervoroso ativista do clima, apaixonado pela Laudato Si’ e dedicado à justiça climática. Ele cria arte de rua e murais para promover a causa, e ensina arte como forma de terapia para jovens afetados por desastres.

Saño faz tudo isso por causa dos amigos perdidos, mas também pelas vidas que espera ainda salvar, as pessoas que podem ser afetadas pelo próximo tufão Haiyan.

“Estar presente, testemunhar o que está acontecendo, é como vislumbrar o futuro de outras nações, de outras comunidades”, disse Saño.

“Eu sabia que tinha a responsabilidade de contar a história. Tendo sobrevivido, descobri que tenho o dom de uma segunda vida, uma segunda chance. E não quero perder essa chance.”

**

A.G. Saño trabalha pela justiça climática depois de passar pelo tufão Haiyan nas Filipinas. (Foto por A.G. Saño)

Depois de algumas horas no pior período de sua vida, Saño parou de rezar para sobreviver.

Ele ouvia o barulho do telhado de seu hotel de concreto como se uma dúzia de cavalos estivessem passando por cima dele. Ele via telhados de ferro galvanizado voar para fora das casas, expondo os residentes.

Ele via os residentes do hotel assustados, buscando abrigo da água que vazava do telhado, gritar quando a água quebrou a porta de vidro do primeiro andar.

Saño estava no corredor do terceiro andar de seu hotel, a uma quadra do oceano, e mentalmente preparado para o fim.

“Deus, por favor, deixe meu corpo ser encontrado.”

Os moradores do hotel Saño em Tacloban se abrigam do tufão Haiyan. (Foto por A.G. Saño)

Os filipinos estão acostumados a tufões que perturbam a vida. Mas, embora seja difícil para os cientistas vincular detalhes sobre um determinado tufão à mudança climática, a mudança climática antropocêntrica criou condições que podem tornar essas tempestades mais fortes.

Um planeta mais quente significa um oceano mais quente, já que o oceano absorve grande parte do calor das emissões de gases de efeito estufa. Oceanos mais quentes podem levar a tempestades mais poderosas, pois as tempestades têm mais vapor de água para coletar durante a formação.

O derretimento das geleiras e a perda dos mantos de gelo da Groenlândia e da Antártica, junto com a expansão da água quente do oceano, contribuíram para o aumento do nível do mar em todo o mundo, o que piorou as tempestades.

As Filipinas e suas 7.641 ilhas no meio do oceano estão particularmente expostas a todas essas mudanças, embora o país pobre tenha pouco a ver com o nível crescente de emissões de gases de efeito estufa.

Uma mulher examina os danos após o tufão Haiyan. (Foto por A.G. Saño)

“A deterioração do meio ambiente e a da sociedade afectam de modo especial os mais frágeis do planeta: ‘Tanto a experiência comum da vida quotidiana como a investigação científica demonstram que os efeitos mais graves de todas as agressões ambientais recaem sobre as pessoas mais pobres.’” (LS 48)

Saño sabia de tudo isso enquanto estava no corredor. Sons altos e estrondosos – como um 747 voando acima – acompanharam os tremores semelhantes aos de um terremoto. Uma poderosa tempestade estava em andamento.

Ele rezou novamente para que seu corpo fosse encontrado. Mas em meio ao caos escuro como breu, ele viu a silhueta de uma pessoa.

“Você é o A.G.?” uma mulher perguntou.

“Sim, sou o A.G. Como você sabe?”

Ela era esposa de um ex-oficial de segurança do prédio de Saño em Manila, e a família estava de férias.

Saño não tinha mais contato com eles, mas era padrinho de seu filho mais velho e compareceu ao batismo cerca de oito anos antes, a última vez que a vira.

Conversando com alguém que conhecia, Saño não se sentiu mais sozinho; ele se sentiu esperançoso.

**

ASSISTA: ‘Temos que falar agora’: A.G. Saño fala sobre a sobrevivência do tufão Haiyan

Nos dias seguintes ao Haiyan, antes que as operações oficiais de resgate chegassem à área devastada, os sobreviventes da tempestade tentaram limpar a cidade.

Saño e uma equipe de seis outras pessoas dirigiram um caminhão basculante o dia todo, recolhendo os entes queridos de outras pessoas, evitando olhar para seus rostos e rezando para que não reconhecessem os corpos.

O tufão Haiyan causou quase US$6 milhões em danos e estima-se que destruiu 90% de Tacloban. (Foto por A.G. Saño)

Os primeiros dois dias e meio foram gastos limpando o centro de Tacloban. Agora eles estavam a caminho do bairro residencial de San Jose, passando por uma zona de desastre.

Eles vagaram por pilhas de carros e casas demolidas.

Famílias enlutadas imploraram que parassem e ajudassem, mas eles continuaram passando por dezenas de cadáveres com medo de nunca chegarem a San Jose se parassem.

Antes de chegar a San Jose, entretanto, Saño viu Ray Caminong, um conhecido que conhecia Sustento.

Agit Sustento, sua esposa e seu filho. (Foto por A.G. Saño)

Sustento e sua família foram a razão de Saño se encontrar em Tacloban no início de novembro de 2013. Saño estava a caminho de Manila para a Ilha de Camotes, perto de Tacloban, para fotografar um evento de conservação da comunidade alguns dias depois.

Mas ele arranjou tempo para uma breve visita para ver seu amigo, que conhecera há cinco anos, quando ambos moravam em Manila.

Seus caminhos se cruzaram naturalmente. Sustento era um tatuador e Saño um artista de rua especializado em murais. Sustento tocava baixo e percussão; Saño, a percussão.

Quando Saño abriu sua primeira galeria de arte quase duas horas ao sul de Manila, Sustento compareceu e tocou música de fundo para os visitantes. “Significou muito para mim para ele apoiar minha galeria de arte”, disse Saño.

Mas eles realmente se conectaram por meio de Tacloban. Sustento cresceu lá, assim como o pai de Saño.

Nas Filipinas, mais do que em outros países, cada área pode ser significativamente diferente. As mais de 7.000 ilhas do país possuem cerca de 175 idiomas diferentes. “Quase todas as ilhas têm sua própria cultura”, disse Saño.

Enquanto crescia, Saño se interessava por Tacloban, mas raramente tinha a chance de visitar. Sua mãe cresceu perto de Manila, então ele conhecia bem esse lado de sua herança. “Tive a sensação de que conhecer minhas raízes me completaria como pessoa”, disse Saño.

Perto de San Jose, Caminong olhou nos olhos de Saño e começou a falar.

“Agit, se foi.

“Geo, se foi.

“Tarin, se foi.”

Saño queria desabar, até mesmo se permitir reagir. Mas ele disse a si mesmo para esquecer o que acabara de ouvir. Ele se desligou emocionalmente.

“Eu não posso desabar. . . Eu preciso sobreviver. . . Se eu desabar, não vou conseguir escapar. Eu preciso estar atento.”

“OK, por favor, tome cuidado”, disse Saño a Caminong. “Eu estarei na prefeitura se você precisar de mim.”

A destruição do tufão Haiyan. (Foto por A.G. Saño)

**

Ao retornar a Manila, Saño ficou cada vez mais irritado e teve pesadelos por um mês.

Em um dos sonhos recorrentes que teve, ele está em um quarto de hotel no primeiro andar perto do centro de Tacloban. Ele está dormindo e acorda para ir ao banheiro, apenas para abrir a porta para a água transbordando e cadáveres.

“Eu ficaria submerso”, disse ele.

Ele superou os pesadelos falando sobre o que experimentou. Saño compartilhou sua história com o Dr. Malou Barrameda, um médico local que o encorajou a continuar discutindo sua história com outras pessoas. Na noite seguinte, ele teve seu “melhor sono”.

Alguns ativistas do clima sofreram muito menos do que Saño, que coletou 78 corpos no total. Mesmo assim, esses ativistas podem se sentir extremamente desanimados.

Mas, apesar de tudo, Saño continua comprometido com a justiça climática para os mais vulneráveis entre nós, incluindo seus companheiros filipinos.

Saño e outros ativistas do clima concluíram o mural acima na Itália durante a Peregrinação Climática de 2018.

Ele continua trabalhando com o Projeto Lápis Preto, grupo de fotógrafos que viaja para comunidades impactadas e as apóia após desastres. Durante essas viagens, Saño ensina arte como forma de terapia para ajudar os jovens a processar o desastre.

“É uma grande parte dos esforços de socorro agora. Tem que ir de mãos dadas com outros esforços de socorro”, disse ele.

Saño também inspira esperança por meio de seus murais, nos quais frequentemente pinta os contornos deles e permite que outros preencham as lacunas, uma coleção que inclui seu memorável mural de urso polar “justiça climática” que ele pintou na Peregrinação Climática à Polônia.

Ele encontrou esperança real na Laudato Si’ e se sente encorajado pelo documento ter transformado milhões de católicos em todo o mundo, tornando o cuidado da criação uma prioridade em suas vidas.

Ouça A.G. Saño compartilhar sua história no podcast do Movimento Católico Global pelo Clima

“Pude usar isso para falar sobre como podemos resolver a crise”, disse Saño.

“Precisamos olhar para além dos cantos, das paredes de nossa casa, olhar para o planeta inteiro como algo que precisamos cuidar. . . Precisamos cuidar do mundo como uma casa comum.”

Falando com paixão semelhante pela criação, na Polônia, Saño conclui seu discurso para os 4.000 ativistas, encorajando-os a usar suas vozes e se unir por um amanhã melhor.

“Não podemos aceitar que sejamos chamados de estatísticas, ou números, porque somos vidas humanas. Somos pessoas e, juntos, devemos ter uma, uma voz consolidada!”

Ele termina seu discurso com uma declaração de fé que ressoou verdadeira então e ainda hoje. “Nós vamos superar!”

ASSISTA: ‘Temos que falar agora’: A.G. Saño fala sobre a sobrevivência do tufão Haiyan