Reconstruindo melhor após a crise pandêmica. Será que mais instituições católicas podem desinvestir em combustíveis fósseis e investir em energia limpa?

Junho 10, 2021

A Cúpula das lideranças mundiais do G7 começa hoje, 11 de junho. Todos os anos, a partir da década de 70, as lideranças políticos dos países mais desenvolvidos industrialmente se reúnem para discutir as questões geopolíticas de primeira importância.

Em junho, eles planejam desenvolver uma estratégia para “reconstruir melhor depois do coronavírus e criar um futuro mais verde e próspero”.

Este objetivo é altamente ambicioso em comparação com o que já foi alcançado em termos de uma recuperação verde da crise climática e pandêmica. Apenas 18% dos gastos de recuperação globalmente são verdes”, atesta um relatório da ONU “Are we building the back better?”. Apesar das promessas de ‘reconstruir melhor’, os governos apoiaram os combustíveis fósseis, a aviação e as estradas.

Para os países com economias emergentes e em desenvolvimento, de certa forma não se trata de reconstruir melhor, mas de construir. Essa construção e uma infraestrutura projetada devasta as terras e destrói o habitat de espécies, a biodiversidade mundial e a subsistência de milhares de habitantes locais nos países da África, América Latina, Ásia. As empresas, originadas no Norte Global, exploram amplamente novas fontes e quantidades de energia, nem limpa nem renovável, mas convencionalmente sujas de carvão, petróleo e gás natural.

De acordo com o relatório da IEA, World Energy Investment 2021, os US$750 bilhões que devem ser gastos em tecnologias de energia limpa e eficiência no mundo inteiro em 2021 permanecem muito abaixo do que é necessário em cenários baseados no clima. O investimento em energia limpa precisaria dobrar na década de 2020 para manter as temperaturas bem abaixo de um aumento de 2°C e mais do que triplicar para manter a porta aberta para uma estabilização de 1,5°C. Conforme enfatizado no novo Roteiro da IEA para Carbono Zero até 2050, as políticas precisam impulsionar um aumento histórico no investimento em energia limpa nesta década.

E a reunião do G7 nos dias 11 a 13 de junho é uma oportunidade promissora para encontrar soluções políticas para a recuperação e investimento verdes.

O agravamento da crise climática, o aumento da desigualdade, a insegurança alimentar e hídrica e a pobreza global exigem que os governos tomem medidas imediatas para reconstruir melhor. E o Norte Global implicitamente se torna um espaço onde as soluções para acabar com os combustíveis fósseis são uma realidade lenta, mas inabalável.

Sob a pressão do movimento climático, a decisão do tribunal holandês exige que a Shell corte drasticamente as emissões em 45% até 2030. Esse foi um aviso enviado através da indústria de combustíveis fósseis com a dica em uma decisão judicial de que não apenas a Shell, mas todas as empresas de combustíveis fósseis precisam cortar suas emissões no futuro próximo. Acionistas ativistas ganharam vagas no Conselho da ExxonMobile como demanda por ação climática e transição energética em nível de conselho. Investidores da Chevron votaram por 61 por cento das ações a favor de uma proposta que pede aos grandes do petróleo que cortem suas emissões totais de gases de efeito estufa, incluindo as emissões dos clientes, uma categoria conhecida como Escopo 3, além de suas próprias operações e cadeias de abastecimento. O tribunal federal da Austrália obrigou o ministro do meio ambiente em exercício ao dever de proteger os jovens da crise climática. O Banco Mundial divulgou os Kits de ferramentas para formuladores de políticas para tornar o sistema financeiro mais verde em 2 de junho. A IEA encomendou outro relatório importante, World Energy Investment 2021

Cada passo para acabar com os combustíveis fósseis nesta década é extremamente importante.

As instituições religiosas a partir de 2016, estavam ativamente desinvestindo em combustíveis fósseis. Após “A caminho para o cuidado da casa comum: cinco anos depois da Laudato Si’”, 36 instituições religiosas de 11 países anunciaram seu desinvestimento em combustíveis fósseis para recuperação justa antes do G7 e da COP26 em maio. O anúncio veio de instituições do Brasil, Argentina, Índia, Filipinas, Uganda, Itália, Espanha, Suíça, Irlanda, Reino Unido e Estados Unidos. O anúncio de maio veio de instituições anglicanas, católicas, metodistas, presbiterianas e batistas, entre outras.

O grupo inclui a Igreja no País de Gales, com mais de £700 milhões (US$975 milhões) em ativos sob gestão, que votou pelo desinvestimento em combustíveis fósseis na reunião do Corpo Governante em abril. Também inclui a Diocese de Bristol e a Diocese de Oxford, as primeiras dioceses da Igreja da Inglaterra a anunciar seu desinvestimento em combustíveis fósseis, bem como sete dioceses católicas do Reino Unido e Irlanda e várias ordens religiosas de todo o mundo. O anúncio de desinvestimento global, que ocorreu enquanto o Reino Unido se prepara para sediar a Cúpula do G7 em junho e a cúpula do clima da ONU (COP26) em Glasgow em novembro, demonstra a liderança de organizações religiosas, destacando a necessidade urgente de desinvestir em combustíveis fósseis e investir em alternativas limpas em resposta à crescente crise climática.

O anúncio ocorreu durante a Semana Laudato Si’, uma celebração do progresso que a Igreja Católica Romana fez em sua jornada para a conversão ecológica, seguindo a encíclica do Papa Francisco sobre mudança climática e ecologia.

Comunidades de fé há muito tempo estão na vanguarda do movimento global de desinvestimento e contribuíram com o maior número de compromissos. Do total global de mais de 1.300 compromissos de desinvestimento assumidos até o momento, mais de 450 são de instituições religiosas.

“Não podemos dar-nos ao luxo de esperar que outros deem um passo em frente, nem de dar a prioridade a vantagens económicas a curto prazo. A crise climática exige de nós uma ação determinada, aqui e agora,” Pope Francis disse em 2020, após exortar os católicos a desinvestir em combustíveis fósseis.

Uma lista completa das 36 instituições que desinvestiram em combustíveis fósseis em maio deste ano se encontra aqui.

Você ou sua instituição de fé também pode desinvestir em combustíveis fósseis. Participe do nosso Programa Católico de Desinvestimento e do próximo anúncio de desinvestimento em meados de outubro de 2021! Avise o mundo que você não está apoiando a suja indústria de combustíveis fósseis e pratique o que prega rumo a uma economia verde e inclusiva e uma recuperação verde para todos.

Por Svitlana Romanko
Gerente de Campanhas contra Combustíveis Fósseis
Movimento Católico Global pelo Clima