Seguindo São Francisco e encontrando meu próprio caminho

Julho 5, 2021

Mayra Santos, terceira a partir da direita, participando de um evento do GCCM

Mayra Santos

Por Mayra Santos
Coordenadora de Programas, países da língua portuguesa
Movimento Católico Global pelo Clima

História de eco-conversão

O amor pela história de São Francisco e Santa Clara de Assis me acompanham desde criança, minha paróquia é cuidada por Frades Franciscanos Menores, onde tive o primeiro contato.

Saber que Francisco era conhecido como patrono da Ecologia pelo amor e a sintonia que tinha pela criação de Deus me fez sentir de início curiosa, até então conhecia o básico dessa relação franciscana com a natureza.

Na adolescência queria fazer o curso de medicina veterinária, com o pouco conhecimento da minha inspiração por Francisco, passava na minha cabeça que eu teria que ter um curso com o meio ambiente. 

Assim, fui convidada a conhecer a Juventude Franciscana (JUFRA) na fraternidade da minha paróquia que, por incrível que pareça, mesmo estando frequente ali como coroinha não conhecia. 

Aqui aprofundei em um Francisco “exemplo por excelência do cuidado pelo que é frágil” e que “manifestou uma atenção particular pela criação de Deus e pelos mais pobres e abandonados” (LS10).

A partir disso, minha vontade de estudar e cuidar aumentou, no entanto, meus pais não teriam condições financeiras de me sustentar fora da minha cidade em um curso de medicina veterinária. 

Nesse momento de decidir em um curso que existisse na minha cidade veio na minha cabeça que Francisco e Clara, mesmo no seu tempo, mostraram cuidado não só por todas as criaturas, mas também por toda criação na qual tudo é ligado e tem que está em perfeito equilíbrio, lembrei-me que como padroeiro da Ecologia Francisco inspirava todos os que estudam e trabalham no campo da ecologia.  

Apareceu a palavra na minha mente, BIOLOGIA, entendi que era esse o caminho para conhecer sobre esse equilíbrio, o que eu não poderia era desistir do sonho que agora abrangia além das criaturas, envolvia também toda a criação.

Cursava Ciências Biológicas e seguia na JUFRA falando sobre pequenos gestos pela criação no serviço de secretária regional de Direitos Humanos, Justiça, Paz e Integridade da Criação (DHJUPIC).

m 2016 tive o primeiro contato com o Movimento Católico Global pelo Clima, pelo convite vindo da Secretaria Nacional de DHJUPIC, representada pelo Igor Bastos, me inscrevi na primeira turma de Animadores Laudato Si’, isso me inspirou a querer ainda mais ser voz da criação, tornando a fazer o curso nos anos seguintes.

Em 2017, com toda essa empolgação como Animadora consegui bolsa para cursar o Mestrado, em Zoologia na área de Conservação da Biodiversidade, foi um sonho que se seguia em aprender mais para lutar mais.  

Continuei como Animadora LS e na JUFRA participando em eventos pela conscientização e coleta de assinaturas pelo Compromisso Laudato Si’, assim fui voluntária em eventos do GCCM.

O ano de 2019 me trouxeram mais alegrias, iniciei no Doutorado em Ecologia e Conservação da Biodiversidade e como Animadora comecei a fazer parte da equipe para países de Língua Portuguesa do GCCM como Coordenadora de Programas. 

Busco convidar/motivar mais pessoas a viver uma conversão ecológica, da qual todos nós somos chamados. 

A “tradução” do que a ciência fala em exemplos locais e da importância de gestos simples para o ambiente, me dão força e esperança todos os dias para um mundo com justiça socioambiental e igualdade de direitos para todos. 

E, desse modo, quero seguir sem perder o ponto de partida, como fala Santa Clara em suas cartas.

Mayra Santos é Bióloga, mestra em zoologia com ênfase em Conservação da biodiversidade, doutoranda em Ecologia e Conservação. É Secretária Nacional da Juventude Franciscana do Brasil para a área nordeste A e do Regional Ceará e Piauí. Também atua como Coordenadora de programas do Movimento Católico Global pelo Clima.