O Papa Francisco à FAO: Superando a crise com uma economia circular e usando energias renováveis

Junho 16, 2021

“É importante garantir que os sistemas alimentares sejam resilientes, inclusivos, sustentáveis ​​e capazes de proporcionar alimentações saudáveis ​​e acessíveis para todos”, disse o Papa Francisco em sua mensagem dirigida à 42ª sessão da Conferência da FAO.

Dirigido a Michal Kurtyka, Ministro do Clima e do Meio Ambiente da República da Polônia e presidente da sessão que se realiza em Roma de segunda-feira, 14 a sexta-feira, 18 de junho, o Papa exortou os participantes a uma “economia circular” e ao uso de “energias renováveis​​”.

Para o Papa Francisco “é paradoxal ver que a falta ou a escassez de alimentos é sofrida justamente por aqueles que os produzem”. E lembrou que “três quartos dos pobres do mundo vivem em áreas rurais e dependem principalmente da agricultura para ganhar a vida”.

Por isso, o Pontífice incentivou os esforços da comunidade internacional “para que cada país alcance sua autonomia alimentar, tanto por meio de novos modelos de desenvolvimento e consumo, como de formas de organização comunitária que preservem os ecossistemas locais e a biodiversidade”.

O potencial da inovação tecnológica deve contribuir para os pequenos produtores, ele disse à FAO, e os convocou a fazer a diferença: “Enquanto alguns semeiam tensões, confrontos e falsidades, nós, por outro lado, somos convidados a construir com paciência e determinação uma cultura de paz orientada para iniciativas que abrangem todos os aspectos da vida humana e nos ajudam a rejeitar o vírus da indiferença”.

O Papa destacou o momento crítico atual, “ainda marcado pela crise sanitária, econômica e social causada pela Covid-19”, que “apesar das conquistas alcançadas, muitos de nossos irmãos e irmãs ainda não têm acesso à alimentação necessária, tampouco em quantidade nem em qualidade”.

Em 2020, “o número de pessoas que estiveram expostas ao risco de insegurança alimentar aguda atingiu o valor mais elevado dos últimos cinco anos”. Por isso, Francisco apelou à “adoção de políticas capazes de atender às causas estruturais que as causam”.

A solução para a crise? “O fator fundamental para recuperar da crise que nos assola é uma economia à medida do humano, não só sujeita aos lucros, mas ancorada no bem comum, amiga da ética e que respeite o ambiente”.

Por fim, disse aos participantes: “O simples esboço dos programas não é suficiente para estimular a ação da comunidade internacional; são necessários gestos tangíveis que tenham como ponto de referência a pertença comum à família humana e a promoção da fraternidade. Gestos que facilitem a construção de uma sociedade promotora da educação, do diálogo e da equidade”.

“A Santa Sé e a Igreja Católica, com as suas estruturas e instituições, apoiam o trabalho desta Conferência e acompanham-vos na vossa dedicação por um mundo mais justo, ao serviço dos nossos irmãos e irmãs indefesos e necessitados”, concluiu.