Nossa história

O Movimento Católico Global pelo Clima (GCCM), criado em 2015, é fruto de um kairos – palavra grega usada no Evangelho para significar “um momento oportuno”. O kairos de 2015 foi a combinação de dois eventos transformadores que determinaram o modo como a Igreja e humanidade responderiam, a partir de então, à crise ecológica: o lançamento da encíclica Laudato Si’ e o Acordo Climático de Paris.

Primeiro, o Papa Francisco escreveu e lançou a carta encíclica Laudato Si’: Sobre o Cuidado da Casa Comum, a primeira encíclica papal na história dedicada à crise integral da nossa mãe terra. Inspirado em seu homônimo, São Francisco de Assis, e em sua profunda comunhão com toda a Criação (evidente no Cântico das Criaturas que inspirou o título da encíclica), o Papa emitiu um poderoso apelo à Igreja e a “todas as pessoas de boa vontade” para se unirem com urgência e atenderem ao “grito da terra e o grito dos pobres.”

Segundo, com o cenário de alertas cada vez piores da comunidade científica sobre a gravidade da emergência climática, líderes de quase 200 países se reuniram na Cúpula do Clima das Nações Unidas em Paris (COP21) para adotar e assinar o Acordo de Paris. Após 21 anos de negociações fracassadas, as nações do mundo tinham um prazo para finalmente concordar com um plano comum que enfrentaria a crise climática antes que fosse tarde demais.

Meses antes desses dois eventos (a Laudato Si’ foi lançada em junho e a Cúpula do Clima de Paris ocorreu em dezembro de 2015), em meio ao impulso que estava se formando e da ampla cobertura da mídia que antecipava os dois eventos, o GCCM foi lançado, em 14 de janeiro de 2015, inspirado pelo Espírito Santo.

Lançamento do GCCM

Foi nesse dia que o Papa Francisco chegou às Filipinas para uma viagem altamente simbólica com uma visita a Tacloban, o epicentro do supertufão Haiyan. O desastre matou mais de 10.000 pessoas e deixou 13 milhões desabrigados.

Haiyan se tornou um símbolo da crise climática, pois foi a tempestade mais forte já registrada, e os cientistas explicaram que foi intensificada pelas mudanças climáticas. Como se enfatizasse a urgência dos “sinais dos tempos”, outro tufão atingiu Tacloban no mesmo dia em que o Papa Francisco visitou a cidade (17 de janeiro), lembrando a ele e à Igreja como os países pobres como as Filipinas são os que mais sofrem com as injustiças da crise climática. A escolha das Filipinas para a fundação do GCCM marcou o compromisso do movimento com “o grito da terra e o grito dos pobres.”

Durante sua viagem às Filipinas, o papa Francisco recebeu o cardeal “Chito” Tagle, que como arcebispo de Manila foi o patrocinador episcopal fundador do GCCM e um companheiro essencial para a jornada à frente. A Arquidiocese de Manila e algumas ordens religiosas das Filipinas faziam parte do grupo fundador de 17 organizações e 12 líderes de todos os continentes, que se uniram para formar o movimento. Um mês antes, em dezembro de 2014, o grupo começou a se reunir por meio de ligações semanais pelo Skype e coordenar um plano unificado pela fé para apoiar a próxima encíclica papal que estava sendo relatada pela imprensa – não sabíamos o nome naquela época! – e elevar a voz da Igreja para pedir justiça climática e um acordo ambicioso na Cúpula do Clima de Paris.

O grupo fundador escolheu São Francisco de Assis como o santo padroeiro do movimento, lembrando que ele é o santo padroeiro da ecologia (vale a pena ressaltar que várias organizações franciscanas eram membros fundadores do GCCM), e emitiu uma declaração de fundação que diz:

“O Movimento Católico Global pelo Clima é uma coalizão internacional de católicos de muitas nações, continentes e estilos de vida. Somos leigos, religiosos e clérigos, teólogos, cientistas e ativistas da Argentina, Filipinas, Reino Unido, Quênia, Austrália, Estados Unidos e muitas outras nações. Estamos unidos por nossa fé católica e nosso trabalho em várias frentes e organizações em relação às das mudanças climáticas… O Papa Francisco emitirá uma encíclica sobre cuidados com o meio ambiente. Com esta declaração, nós, abaixo assinados, procuramos ajudar a trazer esses ensinamentos da Igreja ao mundo.”

Trabalhando pela justiça climática desde o início

O primeiro ano do GCCM foi uma explosão inesperada de energia e vida. O grupo inicial de membros fundadores cresceu rapidamente para incluir 300 organizações católicas até o final do ano e uma vasta rede de líderes de base que se uniram ao objetivo de apoiar a encíclica e mobilizar por um Acordo Climático de Paris ambicioso. Um pequeno Secretariado, ou a equipe da organização, foi criada em Boston para ajudar a coordenar os esforços do movimento em crescimento. O Secretariado era composto apenas por Tomás Insua e Christina Leaño, que trabalhavam nas bibliotecas da Universidade de Harvard nos dois primeiros anos.

Os membros do Comitê Diretor fundador tiveram sua primeira reunião em Roma em maio de 2015, por ocasião de uma reunião preparatória pré-encíclica com autoridades do Vaticano e líderes da Cáritas de diferentes continentes. A viagem a Roma incluiu um encontro inspirador com o Papa Francisco, no qual ele encorajou o movimento a se preparar para a encíclica que viria e compartilhou que apoiava a Petição Católica pelo Clima que o GCCM recém lançava.

Conforme declarado no texto da petição, o objetivo do GCCM era pressionar os governos a adotarem a ambiciosa meta de limitar o aumento da temperatura global a 1,5°C, em vez da meta menos ambiciosa de 2°C que os países mais poluidores estavam apoiando. Energizados pelo lançamento de Laudato Si’ em junho de 2015, mais de 900.000 católicos assinaram a petição. O esforço foi amplamente impulsionado pela Igreja no sul global, especialmente nas Filipinas, onde o Cardeal Tagle ajudou impulsionou petição para receber um apoio abrangente.

As assinaturas da petição foram simbolicamente levadas pelo “peregrino climático” filipino, Yeb Saño, membro do conselho fundador da GCCM, em uma peregrinação profética de dois meses do Vaticano a Paris. Saño entregou as assinaturas em eventos inter-religiosos profundamente emocionantes com as autoridades de alto nível que organizaram a cúpula da COP21: o presidente francês François Hollande e a chefe climática da ONU, Christiana Figueres.

Eventualmente, após duas semanas de negociações frenéticas e uma enorme pressão do movimento climático, incluindo a memorável Marcha Global do Clima, que contou com a participação de 40.000 católicos, do Vaticano e de muitos outros, o bloco de negociações das nações mais pobres consagrou com êxito a meta de 1,5°C no Acordo de Paris. O milagre aconteceu: “pois nada será impossível para Deus” (Lucas 1,37). Essa vitória de 1,5°C, na qual nós católicos tivemos um papel importante, estabeleceu um padrão ambicioso para todas as ações climáticas a seguir.

Após a jornada agitada de 2015 (veja as fotos e a linha do tempo), no ano seguinte, o GCCM iniciou questões que se tornaram os pilares de sua abordagem holística: o programa de formação de Animadores Laudato Si’, as celebrações do Tempo da Criação, iniciativas proféticas, como a campanha de desinvestimento em combustíveis fósseis, e projetos criativos que aumentam a conscientização sobre a Laudato Si’, como a exibição providencial de um vídeo do Papa para três milhões de peregrinos da Jornada Mundial da Juventude, na Cracóvia.

Realizando ações transformadoras

Nos anos seguintes, o movimento continuou a se expandir em todo o mundo através de um número crescente de Animadores, Círculos, Capítulos e Organizações Membros, todos os quais continuam a impulsionar ações transformadoras pelo cuidado da nossa casa comum. Isso foi acompanhado pela criação de uma entidade legal formal e da Diretoria em 2017, seguido de uma reunião de planejamento em Assis com o Secretariado e o Comitê Diretivo (incluindo um novo encontro com o Papa). Logo em seguida, o escritório principal do Secretariado foi realocado para Roma para melhor servir à Igreja em “viver a Laudato Si’”, aprofundando a colaboração com o Vaticano e as organizações católicas com sede em Roma. Em 2019, o GCCM instituiu um Conselho Consultivo Episcopal com cardeais de diferentes continentes que têm acompanhado o movimento em sua jornada.

2020

O ano de 2020 foi diferente de qualquer outro ano para o mundo e para o movimento. Em fevereiro, semanas antes da pandemia do coronavírus fechar grande parte do mundo, os principais líderes e conselheiros do GCCM ficaram extremamente gratos por ter uma audiência pessoal com o Papa Francisco. A reunião serviu como uma linda oportunidade para agradecermos o Papa Francisco pela sua liderança.

Alguns meses depois, o GCCM desistiu de seus planos de organizar eventos para comemorar o quinto aniversário da Laudato Si’ em maio. Em vez disso, a organização permaneceu ágil e, junto com milhares de pessoas em seis continentes, uniu-se para orar e refletir sobre como podemos construir um mundo melhor. O GCCM e seus muitos parceiros organizaram a “Semana Laudato Si’”, com conferências online que ajudaram pessoas de todo o mundo a honrar essa encíclica transformadora e a se preparar para os próximos cinco anos em nossa jornada de oração e ação por justiça climática.