Top 10 Destaques 2019

Dezembro 17, 2019

Durante 2019, o Movimento Católico Global pelo Clima foi enriquecido pela presença do Espírito Santo. Em colaboração com centenas de Animadores Laudato Si’ locais e mais de 900 organizações que são nossos membros, trouxemos a Laudato Si’ à vida pelo mundo afora.

2019 foi um ano de grande progresso para o nosso movimento. Mas a urgência da crise climática exige que façamos mais. As mudanças climáticas estão vindo mais rápidas e fortes do que os cientistas esperavam. Nossos irmãos e irmãs mais pobres já estão vivendo em um mundo em que o clima extremo, a fome crescente, e mais doenças são “o novo padrão”.

Proclamamos junto com a Laudato Si’ que “é tanto o que se pode fazer!” Estes são nossos top 10 destaques de 2019, e representam centenas de outras ações realizadas pela nossa rede diversificada.

Papa Francisco no evento do Tempo da Criação
nos jardins do Vaticano

1. Papa Francisco defende a criação

Em maio, o Papa Francisco Pope Francis deu uma firme advertência aos executivos de combustíveis fósseis, dizendo que “o tempo está acabando” e que “a crise climática exige nossa ação decisiva, aqui e agora, e a Igreja está comprometida em cumprir com a sua parte”.

Em setembro, o pontífice promoveu o Tempo da Criação como nunca antes, uma iniciativa que é celebrada há anos por comunidades cristãs ao redor do mundo. Ele inaugurou esse tempo publicando a primeira mensagem pontifícia convidando a Igreja universal para participar. A mensagem inclui uma advertência de que estamos num estado de “emergência climática”.

O Papa Francisco encerrou esse tempo realizando o primeiro evento pontifício do Tempo da Criação. Em palavra e ação, o Santo Padre demonstrou que cuidar da nossa casa comum é uma maneira essencial de colocar em prática os nossos valores católicos.

Membro da comunidade na Amazônia (crédito REPAM)

2. O Sínodo sobre a Região Pan-Amazônica trouxe as margens ao centro

O Sínodo sobre a Região Pan-Amazônica explorou como a ecologia integral se aplica a esse local precioso da criação. Esse trabalho ganhou tragicamente um ímpeto maior devido a uma devastação generalizada causada pelos incêndios que foram causados ilegalmente na Amazônia para dar um sinal de apoio ao presidente Jair Bolsonaro.

Ao longo do ano, o MCGC ajudou as comunidades a se prepararem para o sínodo. Desde reflexões sobre eco-mártires a um guia para conversas comunitárias (em inglês) em solidariedade com a Amazônia durante o Dia da Terra, nós ajudamos as comunidades católicas a se prepararem para esse grande marco para a Igreja.

Paralelo ao sínodo em Roma, ajudamos a organizar eventos como parte da série Casa Común. Estes incluíram uma conferência de alto nível vista por muitos como a inauguração não-oficial, uma refeição celebrativa ao ar livre com bispos, líderes indígenas, e outros, e uma peregrinação pelas ruas de Roma.

No Brasil, ajudamos encabeçar uma pesquisa nacional da atitude dos católicos sobre o ambiente. Logo após a catástrofe dos incêndios na Amazônia, a pesquisa revelou que 85% dos católicos veem a destruição da Amazônia como um pecado, e discordam profundamente do presidente Jair Bolsonaro e sua maneira de lidar com o ambiente.

Diretor Executivo do MCGC, Tomás Insua, com Papa Francisco
e Greta Thunberg (crédito Servicio Fotografico Vaticano)

3. Jovens católicos estão junto à Igreja

Junto da riqueza de atividades para jovens na Jornada Mundial da Juventude, nós ajudamos lançar Geração Laudato Si’, movimento climático por e para jovens católicos.

Falando no palco principal imediatamente após o Papa Francisco, os jovens ativistas propuseram um manifesto para o Cardeal Tagle, presidente da Caritas Internationalis, que aceitou em nome da Igreja. Os jovens organizaram o maior abraço em grupo do mundo, que foi filmado e publicado como um vídeo comovente para as redes sociais. O movimento foi inspirado em parte pela Greta Thunberg, com quem colaboramos em um encontro com o Papa Francisco e as mobilizações mais amplas de jovens.

Evento do Tempo da Criação em Manila

4. O Tempo da Criação alcançou novas alturas

Desde suas origens na Igreja Ortodoxa até ser adotada pela família ecumênica, o Tempo da Criação cresceu até se tornar um antecipado evento regular no calendário cristão. Este ano, mais de 1.200 eventos ao redor do mundo trouxeram o Tempo da Criação às comunidades locais. Desde implementações de práticas sustentáveis até aprofundamentos da ecoespiritualidade para defender a justiça climática, as comunidades mostraram que o Tempo da Criação é uma parte importante do calendário cristão.

O impulso no nível das bases ecoou por toda a Igreja. O Papa Francisco postou sobre o Tempo da Criação nas redes sociais, incluindo tweets sobre oração, estilo de vida e empreendimento, e a hashtag #TempodaCriação e um post no Instagram sobre seu evento do Tempo da Criação, entre outros. Seguindo um convite do Mons. Bruno Marie Duffé, secretário do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, para bispos e sacerdotes celebrarem, doze bispos ou conferências episcopais publicaram sobre o Tempo da Criação. Leia mais sobre o Tempo da Criação 2019 aqui.

Mobilização climática na Austrália

5. Mobilizações climáticas levantam a voz em união pela justiça climática

A Geração Laudato Si’ organizou ou participou em quase 500 mobilizações pelo clima no mundo todo em 2019. Juntos de irmãs e irmãos de movimentos juvenis e seus adultos aliados, esses jovens católicos levantaram uma voz em união pela geração que irá viver as consequências das decisões que tomamos hoje. Igrejas ao redor do mundo tocaram seus sinos em apoio às mobilizações.

Apoio público para o desinvestimento católico

6. Instituições católicas lideram conduzem o movimento de desinvestimento

Os bispos que participaram no Sínodo da Amazônia apoiaram formalmente a campanha de desinvestimento como uma resposta ao apelo dos líderes indígenas. Isso foi complementado com ação: com quase 40 novos compromissos em 2019, as instituições católicas se levantaram pelo desinvestimento profético em combustíveis fósseis. As mais de 160 instituições católicas que agora se comprometeram a abrir mão dos combustíveis fósseis como exemplo, inspiram outros a defenderem a criação. A nível global, o movimento de desinvestimento alcançou um novo marco, com o valor de desinvestimento das instituições chegando a US$1 trilhão. Os católicos são a maior fonte única de compromisso com esse movimento global.

Momento de oração no Chile

7.Círculos e retiros aprofundam a ecoespiritualidade comunitária

Os Círculos Laudato Si’, que se dedicam à formação da ecoespiritualidade em pequenos grupos, se tornou uma forma valiosa para as comunidades crescerem no amor e nas ações. Quase 200 Círculos Laudato Si’ foram lançados em comunidades ao redor do mundo, enriquecidas por recursos de reflexões mensais e modos de se conectar com outros Círculos.

Os Retiros Laudato Si’ possibilitaram que as comunidades passassem tempo juntas refletindo sobre os temas da Laudato Si’. Líderes locais organizaram mais de 80 retiros em 2019.

Evento organizado por um Animador Laudato Si’
nos EUA

8. Capítulos e Animadores levam a ação adiante

Os Animadores Laudato Si’ lideraram as ecologia integral em suas paróquias, universidades, e dioceses. Mais de 1.300 Animadores organizaram eventos, falaram com seus párocos, e mantiveram a conversa viva sobre a criação em suas comunidades. Treinamentos pessoais de Animadores em países como Itália, Polônia e França, trouxe relacionamentos para a vida de nova forma.

Os Capítulos MCGC organizaram iniciativas de ativismo, sustentabilidade, e espiritualidade para mais de 25 regiões, trazendo este novo programa à frente nas comunidades ao redor do mundo.

Plantação de árvore em Moçambique

9. Comunidades católicas geram um impulso no Dia da Terra

Para celebrar o Dia da Terra, os campeões do MCGC das bases organizaram mais de 300 eventos. Para mostrar solidariedade com a floresta Amazônica e florestas ao redor do mundo, esses campeões plantaram 18.000 árvores. Com planos de aula, modelos de carta de ativismo, e um guia de planejamento de evento, o MCGC equipou as comunidades para viverem seu chamado pela criação.

Cardeal Luis Tagle, um membro do conselho consultivo,
com MCGC

10. Demos as boas-vindas a novas pessoas na família MCGC

Um novo conselho consultivo, com cardeais proeminentes, trouxe uma sabedoria essencial para nosso trabalho, e nós estendemos nosso comitê diretivo, com novos membros maravilhosos da Colômbia, Uruguai, Filipinas, Trindade e Tobago, Líbano, Bélgica, Itália, Fiji, França e Peru.

Nossa equipe de funcionários também cresceu em 2019, quando demos as boas-vindas a novos membros do Reino Unido, EUA, Filipinas, México, Brasil e Polônia.

Trabalhando junto com o Espírito Santo e bispos, párocos, e leigos que são a face do movimento Laudato Si’, o MCGC explorou novos territórios e aprofundamos em 2019. O ano seguinte promete ser ainda maior para nosso crescimento e colaboração. Por favor veja este resumo dos nossos planos de 2020 para mais informações.