Os 10 maiores destaques de 2018

Dezembro 20, 2018

O Movimento Católico Global pelo Clima trabalha com pessoas e instituições católicas em todo o mundo com o objetivo de cuidar de nossa casa comum e promover a justiça climática. Aqui estão 10 coisas pelas quais somos gratos em 2018.

1: Líderes religiosos pedem uma mudança urgente

Em junho, o Papa Francisco fez dois discursos direcionados à indústria de combustíveis fósseis. O primeiro foi um alerta os CEOs do setor de que “o uso de energia não deve destruir a civilização!”; o segundo, uma forte crítica à “sede por lucro que sorrateiramente explora os campos de gás e petróleo sem consideração por nossa casa comum”. Em julho, o Vaticano convocou uma importante conferência para celebrar o terceiro aniversário da Laudato Si’, na qual o Papa Francisco pediu por “esforços sistemáticos e conjuntos voltados para uma ecologia integral”. Em outubro, os representantes das conferências episcopais dos seis continentes emitiram uma declaração conjunta pedindo medidas ambiciosas e imediatas contras as mudanças climáticas para “dar fim à era dos combustíveis fósseis”.

2: Cristãos vivenciam o Tempo da Criação

O Tempo da Criação, uma celebração global de ação e proteção de nossa casa comum, foi vivenciada mais intensamente do que nunca em 2018. Importantes líderes religiosos, incluindo o Cardeal Peter Turkson do Vaticano, o Arcebispo de Canterbury, o Patriarca Ecumênico Bartolomeu I, entre outros, assinaram uma declaração de apoio sem precedentes ao Tempo da Criação. Em Assis, cidade de São Francisco, um serviço de oração ecumênico reuniu diversos líderes. Em todo o mundo, os cristãos celebraram mais de 650 eventos, um aumento de 35% em relação ao ano anterior, e eventos foram realizados pela primeira vez no Caribe, Oriente Médio e Oceania.

3: Católicos da Polônia cuidam da criação

A Polônia, país com mais de 90% de sua população católica, é um dos locais com pior poluição atmosférica da Europa e, este ano, foi sede da conferência climática da ONU, a COP24. Durante os preparativos para a cúpula climática, os bispos poloneses pediram que os párocos de todas as 10.000 paróquias do país rezassem pelas negociações e, para reforçar o pedido, enviaram 2 milhões de santinhos com orações para serem usados na missa. Essa ação seguiu-se a uma série de eventos que ocorreram ao longo do ano: uma conferência com o Cardeal Dziwisz, amigo próximo de São João Paulo II, uma visita do Presidente da COP24 e do Ministro de Empreendedorismo e Tecnologia à conferência Laudato Si’ no Vaticano, e eventos do Domingo de São Francisco com o Ministro da Agricultura, bispos e apoiadores católicos por todo o país. Esses eventos tiveram cobertura da mídia (como aqui e aqui), alcançando milhões de poloneses.

4: Peregrinos erguem a voz por justiça climática

Peregrinos da Peregrinação pelo Clima percorreram 1.500 km da Praça de São Pedro à cúpula climática da ONU em Katowice, Polônia, pedindo por justiça climática. Liderados pelo ex-negociador climático Yeb Saño, os peregrinos contavam com sobreviventes do Tufão Haiyan, uma forte tempestade que tomou milhares de vidas e foi intensificada pelas mudanças climáticas. Os peregrinos compartilharam suas histórias em dezenas de comunidades ao longo da jornada e foram recebidos pela chefe climática da ONU Patricia Espinosa, o Presidente da Áustria e o Ministro do Meio Ambiente Sergio Costa, entre outros. Sua histórias tiveram ampla cobertura da imprensa e das redes sociais (incluindo aqui e aqui). Para mais informações, clique aqui.

5: Católicos lideram na COP24

As negociações climáticas da ONU, também conhecidas como COP24, foram um teste crucial da capacidade da comunidade internacional de trabalhar em conjunto para o bem de nossa casa comum. Embora os resultados não tenham sido tão ambiciosos quanto necessário, as vozes dos católicos foram proeminentes. Durante a cúpula, o chefe da delegação da Santa Sé presidiu uma forte conferência de imprensa pedindo por urgência e solidariedade, enquanto a CIDSE e CI acompanharam os detalhes das negociações. Paralelamente, a Pontifícia Academia de Ciências convocou uma conferência sobre ciência climática, a comunidade internacional católica compartilhou histórias de testemunhos e compromissos de mudança e ativistas católicos regionais se uniram em reflexão.

6: Instituições da igreja abandonam os combustíveis fósseis

Instituições católicas continuam sua liderança profética no movimento de desinvestimento em combustíveis fósseis. Mais de 50 instituições católicas, incluindo a Cáritas Internationalis e bancos católicos estimados em mais de 7,5 bilhões de euros, renunciaram à energia suja. A Cáritas Índia, que esteve na linha de frente das inundações de Kerala, após esta deixar mais de um milhão de pessoas desalojadas, disse que “nossa missão é levar às pessoas o evangelho do amor e compaixão àqueles que necessitam. E, para isso, precisamos renunciar aos combustíveis fósseis que causam tanto sofrimento”. Esta história teve ampla cobertura da imprensa (incluindo aqui e aqui), além de um vídeo visto por centenas de milhares de pessoas.

7: O cuidado da criação enriquece o Encontro Mundial das Famílias

O Encontro Mundial das Famílias, um evento internacional com o Papa que ocorre a cada três anos, teve um novo foco na Laudato Si’ graças à parceria entre WMOF, o Grupo de Trabalho da Laudato Si’ do Conselho Irlandês de Catequese, Trócaire e MCGC. Com uma seção dedicada no site oficial, um vídeo preparando os peregrinos para uma viagem sustentável, um jardim de meditação, um espaço de oração, atividades para adolescentes e mais, o evento alcançou novos públicos com a mensagem da Laudato Si’.

8:A comunidade católica celebra o Dia da Terra

Em mais de 700 eventos nos seis continentes, comunidades católicas se uniram para o Dia da Terra. As comunidades rezaram e aprenderam juntas e pediram que os líderes de suas dioceses se comprometessem em proteger a criação. Saiba mais aqui.

9: Nosso movimento continua crescendo

Em todo o mundo, nosso movimento continua crescendo com católicos comprometidos

a tomar medidas concretas. Seja como um Animador Laudato Si’, participando de um Retiro Laudato Si’ ou fazendo parte de um Círculo Laudado Si’, os católicos encontram novas formas de colocar a Laudato Si’ em prática. Ao mesmo tempo, as organizações membros do MCGC continuam a gerar cobranças por justiça climática em suas regiões, desde a implementação de formas de energia renovável pela norte-americana Catholics Are Still In Declaration e as agências Cáritas à união de forças das irmãs católicas por nossa casa comum.

10: Recursos litúrgicos levam o cuidado da criação para nossa vida compartilhada de oração

Com materiais de apoios abrangentes para a Quaresma, Advento e Dia de Todos os Santos, católicos e paróquias unem o coração de nossa fé ao cuidado de nossa casa comum.

O Movimento Católico Global pelo Clima é grato por trabalhar com uma rede mundial de pessoas e instituições católicas para dar vida à carta encíclica Laudato Si’. Em resposta às necessidades de nossos irmãos e irmãs mais vulneráveis e diante do recente relatório do IPCC sobre a redução de 40% da emissão de gases de efeito estufa nos próximos 12 anos para limitar o aquecimento global a 1.5º, estamos comprometidos a aumentar a ambição e a urgência de nosso trabalho em 2019.

Damos graças à nossa comunidade e ao Espírito Santo pelas dádivas de 2018 e aguardamos ansiosamente por aquelas que virão no próximo ano.